MAR DE MORROS

terça-feira, 22 de março de 2011

ÊXTASE

video

ÊXTASE (Anibal Werneck &Armindo Torres) Sempre quando vejo você passar por mim, / Não fico no passado, nem dentro do presente. / Esqueço do futuro e ponho-me a pensar: / Homens da caverna brotam na minha mente, / Discos-voadores no solo lunar, / Seres esquisitos acenando pra mim, / Luzes visões estranhas no céu e no mar, / Nem sei qual o princípio, nem qual será o fim. / Você me invade todo o corpo, / Enche-me o tempo de ilusões, / Às vezes penso até que morro, / Você me causa frenesi, / Até parece ÊXTASE!

Gravação de 2006.
Voz & Violão, Anibal Werneck. 

O êxtase aqui não é a droga, é a mulher amada que leva o seu apaixonado às nuvens, faz o pobre coitado no bom sentido ver coisas, se sente abduzido, vilipendiado pelo feitiço da paixão, em outras palavras, abestalhado mesmo, é a força do amor que arrebate qualquer um. 

GERAÇÕES DE GIRASSÓIS

video

GERAÇÕES DE GIRASSÓIS (Anibal Werneck & Celso Lourenço) Os sinais nos caminhos que brotam em minha mão. / Esperanças que escorrem no meu coração. / São seres elementais atravessando meus portais, / São olhares de querubins, fontes pequenas de mim. /  Doces cantigas de fé vingando nas manhãs. / Arquitetando castelos, jardins de maçãs. /  Na voz deste cantar, descortinando todo o amor / Num mundo de mil sóis nas lições dos girassóis. / Gerações de girassóis, gerações de girassóis, / Gerações de girassóis, gerações de girassóis.

No vídeo, Anibal Werneck, o autor da melodia na letra de Celso Lourenço.

É um jardim de girassóis descortinando dentro da gente quando viajamos à procura da felicidade, se ela não acontece do lado de fora, a arte da poesia e da música nos faz sentir melhor, compensando assim esta falta que a realidade sempre nos proporciona, por isso mesmo, o poeta então viaja pelo mundo da fantasia entre duendes e fadas, num mundo encantado que existe dentro de cada um de nós e, que, só a arte pode mostrá-lo a nós, pobres mortais.

sexta-feira, 18 de março de 2011

TERRA MÃE

video


TERRA MÃE (Anibal Werneck de Freitas) Barquinhos de papel nas poças de chuva flutuavam. / Biloscas e esferas nas búlicas rolavam e caiam. / Cavalos de cabo de vassoura pelos morros cavalgavam. / Carrinhos de tijolo nas estradas nos montes de areia corriam. / Sábados, domingos, gibis, Zorro, cinema passavam. / Papagaios de manivela o céu azul cortavam. / Peões e carrapetas pelo chão rodopiavam. / Bolas nos campinhos as peladas animavam. / E meus sonhos de menino nestas coisas / Uma resposta pro futuro buscavam. / E meus sonhos de menino nestas coisas / Uma resposta pro futuro buscavam.

Gravação, 1986.
Registro 50322, Livro 15, UFRJ, 26/04/1989. 

A gente quando é criança tem sempre a morte à distância, é algo que não nos diz praticamente nada, coisa pra depois, o tempo parece estagnado, a sensação de que tem muito tempo pela frente é constante, enfim, o momento mais feliz do ser humano, a melhor idade, dedicada especialmente às brincadeiras, é isso aí.

SE QUER AJUDA...

video


SE QUER AJUDA... (Anibal Werneck de Freitas) É tempo, tempo que a dor derradeira virá, / Correram meses sem se quer ajuda terá. / Se quer ajuda de alguém saiba a cena, / Se quer ajuda de alguém lute e acena. / Cena, acena, depressa, suplica, figa. / Tal a tristeza no fundo do peito fica. / Se quer ajuda de alguém, sobe a vela, / Se quer ajuda de alguém, deixe a cela, / Se quer ajuda de alguém, saiba a cena / Se quer ajuda de alguém, acenará... / Sumiram meses por anos afincos juntos / E o seu pranto jorrará frente a muitos / Se quer ajuda plante este conselho, / Se quer ajuda, mete o bedelho. / Veja se anda sem se quer ajuda e verá, / Veja se anda por experiência e verá. / Se quer ajuda de alguém, sobe a vela, / Se quer ajuda de alguém, deixe a cela, / Se quer ajuda de alguém, lute e acena / Se quer ajuda de alguém, saberá... / Cena, acena, depressa, suplica, figa. / Tal a tristeza no fundo do peito fica. / Se quer ajuda de alguém, saiba o pranto, / Se quer ajuda, mete o cantar, / Se quer ajuda de alguém, saiba o tanto, / Se quer ajuda de alguém, achará... / Achará... achará... achará...

Gravação, 1986.
Registro 50319, Livro 15, UFRJ, 26/04/1989.

Devemos sempre ajudar o próximo, todavia não é o que normalmente acontece, falar é fácil, difícil fazer, a letra da música sugere isso, é a pretensão do autor. 

segunda-feira, 14 de março de 2011

O LIVRO CEGO

video

O LIVRO CEGO (Anibal Werneck & Gildo Pereira) Que tenho eu para dar aos homens / Que lhes possa preencher / O triste vácuo do interior? / Minha ‘cegueira’, acaso, lhes seria útil? / Por ventura eu os conseguirei levar / A mergulhos em si mesmos? / Que palavras mágicas balbuciariam meus lábios / E em que estado eu os poderia colocar / A fim de ouvirem eles os sons de si mesmos?! / Não se consegue fazer nos homens / O que neles eles não querem fazer. / Não se consegue fazer nos homens / O que neles eles não querem fazer. / Que tenho eu para dar aos homens / Que lhes preencha / O triste vácuo do interior. / Um livro cego, um punhal cego, / O triste e cego eu interior / Que reclama oculista. / O livro, o punhal, / O eu cego – o caminho. / O livro, o punhal, / O eu cego – o caminho. / O livro, o punhal, / O eu cego – o caminho. / Não se consegue fazer nos homens / O que neles eles não querem fazer. / Não se consegue fazer nos homens / O que neles eles não querem fazer.

Voz & Violão: Aníbal Werneck  de Freitas
MAR DE MORROS, álbum musical de Anibal, 1998.

Segundo o autor da letra, mudar a ideia de um homem é quase que impossível, ele, o autor, se sente incapaz de fazer tal proeza, falta-lhe conteúdo para tal, por outro lado, Quem sou eu para executar esta tarefa?, os religiosos tentam esta façanha, não sei se conseguem realmente.

quarta-feira, 9 de março de 2011

MINAS MINAI!

video

MINAS, MINAI!  (Anibal Werneck de Freitas) Do alto do morro / Uma igreja do século XVIII / Confirma o passado. / Quantas vidas , / Quantas mortes / Passaram por aquelas pedras / De um tempo pisado.  / Vale a pena viver? / Vale a pena a morrer? / O silêncio é a única resposta? / As casas antigas ficaram / Como se quisessem deixar / Seus fantasmas à mostra. / Minas Gerais, / Respeite seus mortos! / Minas Gerais, / Busque seu mar! / Minas Gerais, / Solte seus portos! / Minas Gerais, / Respire seu ar! / Minas minai! / Minas minai! / Minas minai! / Minas minai! 

Anibal, voz, teclado e violão, 1995.

Minas Gerais é um grande Estado, mas ainda precisa crescer, principalmente no norte e nordeste.
Erigida pelas mãos dos escravos, Minas precisa retribuir aos negros o que lhes foi tirado, no entanto, a coisa continua em banho maria, por isso, Minas precisa minar, precisa inventar algo, todavia, isso não vi ainda em nenhum Governo, deste modo, fica aqui o meu grito, Minas, minai!

 

sexta-feira, 4 de março de 2011

CAMINHADA

video

CAMINHADA  (Anibal Werneck - Armindo de Castro)  Que estrada grande, / Que gente heróica. / Fôlego de amante / E vontade estóica. / Lá no fim da estrada / Dizem ter u’a mina. / Sede saciada / Pra frente menina! / Que estrada grande, / Que gente heróica. / Fôlego de amante / E vontade estóica. / Mas não fica aí / Sua caminhada, / Nem fique aqui / Sonhando acordada. / Que estrada grande, / Que gente heróica. / Fôlego de amante / E vontade estóica. / A verdade existe / Tenha isso em mente. / A miséria agride / Bem na sua frente. / Que estrada grande, / Que gente heróica. / Fôlego de amante / E vontade estóica.


Flauta & Voz: Anibal Werneck.
Cítara & Voz: Celso Lourenço.
Percusao em casca de coco: Anibinha (5 anos)
LATINOS GERAES, álbum musical de Anibal lançado pelo autor em Recreio/MG, 1989.


A caminhada é longa, e o nosso povo parece desiludido para caminhar, principalmente o da área urbana, talvez o insucesso dos campesinos, sempre coagidos pelas autoridades políticas combinadas com os ricos fazendeiros sob um apoio sorrateiro do Governo que se diz da esquerda, será isso?

METABOLISMO

video

METABOLISMO  (Anibal Werneck - Armindo de Castro) Sentado no vaso / Penso no que tenho feito. / Repenso o que faço / E sem nenhum preconceito / Encaro meus revezes. / Este meu metabolismo / É natural, e transcendente / Cheio de fé e realismo, / Idéias más tiro da mente, / Respiro outras que não fezes. / Era uma vez um menino / Que correu, cresceu, foi fundo. / Casou-se com o sonho feminino / E tinha uma outra idéia do mundo, / Mas se esqueceu de abrir a porta. / Esta história de amor piegas / Não pode encobrir a fome / Que grassa sem graça / Neste país sem nome. / Sem desprender as pregas / Deste sentimento sentimental, / Sem deixar de acordar / O que é natural: / Fazer a revolução pra mudar / E um outro amor procurar.

Voz: Anibal / Violão Ovation: Aníbal / Guitarra Sonic: Celso Lourenço. / Percussão: Anibinha.
LATINOS GERAES, álbum musical de Anibal lançado pelo autor em Recreio/MG, 1989.

quinta-feira, 3 de março de 2011

EI, ESPERE!

video

EI, ESPERE! (Anibal Werneck & Armindo Torres) Ei, espere! / Não fuja assim de mim. / Que sei / Não ser de paz sua morada. / Pare! / Olhe a vida. / Não fique assim triste e abatida. / Não veja a sorte terminada. / Firme a vontade no que pensa. / Forje sua mente na brandura / E ganhe crença. / Busque no fundo de si mesma / Força maior no que procura. / Ganhe valor, creia em si própria. / Tire do amor a doce cópia / De uma existência que se cria, / Sem ter no peito uma tristeza / E prove os frutos da alegria. / Ei, espere! / Não fuja assim de mim. / Que sei / Poder sentir o que imagina. / Ei, espere, espere menina! / Ei, espere, espere menina! / Ei, espere, espere menina! / Ei! 


Voz, Violão & Teclado: Anibal Werneck  de Freitas.
MAR DE MORROS, álbum musical de Anibal lançado pelo autor em Recreio/MG, 1998.

SEM SEXO, SEM NEXO

video

SEM SEXO, SEM NEXO (Anibal Werneck & Armindo Torres) Quando não houver mais sexo / Talvez você tenha o poder de perdoar / Assim como teve o poder de se infiltrar no meu mundo / Sem licença reativando em mim todas as crenças. / Quando não houver mais sexo / Talvez você sinta a minha sensibilidade / E não se assuste por eu um dia / Ter pensado em exclusividade. / Quando não houver mais sexo / Talvez ouça a minha voz no seu ouvido / Dizendo que você é a mais importante / E a faça entender toda a magia dos instantes. / Quando não houver mais sexo / E a idade a sufoque / Talvez você sinta a fragilidade das pessoas / E não abuse de nenhum homem / Por ser mulher e ser mais forte. / Quando não houver mais sexo / Talvez você se lembre da minha cabeça e dos meus intentos / E sinta que poderíamos envelhecer juntos / Mas aí talvez descubra: Não há mais tempo.

Gravação de 1996.

SAUDADE NÃO SEI DE QUÊ?

video

SAUDADE NÃO SEI DE QUÊ? (Anibal Werneck & Armindo Torres) Quando eu vejo um piscar de emoções. / Quando eu sinto um fisgar de ilusões. / Quando eu penso num roçar de opiniões. / E a saudade chega então com seus senões. / Que saudade é esta? / Eu não sei responder. / É saudade de festa. / Festa não sei de quê? / Quando eu vejo um trincar de paixões. / Quando eu sinto um fingir nas ações. / Quando eu penso mal pensar dos patrões. / E a saudade põe então suas razões. / Que saudade é esta? / Eu não sei responder. / É saudade de festa. / Festa não sei de quê?

Voz, Violão & Teclado: Aníbal Werneck  de Freitas / Violão Ovation: Celso Lourenço.
MAR DE MORROS, álbum musical de Anibal lançado pelo autor em Recreio/MG, 1998.