MAR DE MORROS

terça-feira, 21 de junho de 2011

IMPRESCINDÍVEL CANTO NOVO


IMPRESCINDÍVEL CANTO NOVO  (Anibal Werneck – Zé Guimarães) Me dá esse canto novo / Que eu hei de mostrar ao povo / A verdade do canto mesmo / Sendo ele fraco pra se ouvir. / Me dá um canto onde eu possa / Falar da força do cárcere / Da podridão que há / Na escuridão de cada fossa. / Me dá esse canto, gente! / Tá no meu peito a semente / Da flor que urge nascer / E eu trago um desejo / Ardente de ver / Essa flor crescer. / Cadê, cadê esse canto / Que faz rolar o meu pranto? / A censura o engoliu? / A abertura o inibiu? / Ou sua rima faliu? / Por Deus me dá esse canto! / Permita que a minha fala / Encha o vazio da sala / E esvazie cada antro. / Me dá esse canto, moço! / Me dá esse canto, moço! / Tem corda no seu pescoço / E eu não demoro apertar.
  
Anibal, voz e violão.