MAR DE MORROS

sábado, 27 de junho de 2015

O ÚLTIMO TREM (Anibal, Armando e Lenira)



Esta música registra o último trem de passageiros que saiu de Recreio(MG), numa segunda-feira de 1983, deixando para trás trilhos da saudade, a cidade nunca foi a mesma depois deste triste acontecimento, o trabalho dos ferroviários que viveram e morreram parece que foi em vão, e, no lugar dele ficou apenas a dor.


O ÚLTIMO TREM - 2

(Anibal - Armando e Lenira)

Dói, dor doída / A Maria, a Maria,
Ma-ri-a / Virou fumaça.
E a fumaça / Da Maria, da Maria,
Ma-ri-a / Virou saudade.

Toda garbosa e imponente / Lá vai Maria Fumaça
Deixando saudade e alegria / Em toda estação que passa.
O apito como um gemido / Fagulhas da chaminé
Queimando a roupa dos passageiros / Fornalha, sabe como é.

Dói, dor doída / A Maria, a Maria,
Ma-ri-a / Virou fumaça.
E a fumaça / Da Maria, da Maria,
Ma-ri-a / Virou saudade.

Caldeira sempre sedenta / Subida, está chovendo
Se não jogar areia nos trilhos / Desliza não fica movendo.
Agora ela aposentou / Encanto em desencanto
Dona Leopoldina se acabou / Foguista se fez em pranto.

Dói, dor doída / A Maria, a Maria,
Ma-ri-a / Virou fumaça.
E a fumaça / Da Maria, da Maria,
Ma-ri-a / Virou saudade.

Tristeza na Estação Recreio / Adeus ao último trem
Que partiu numa segunda-feira / Em mil novecentos e oitenta e três.

Dói, dor doída / A Maria, a Maria,
Ma-ri-a / Virou fumaça.
E a fumaça / Da Maria, da Maria,
Ma-ri-a / Virou saudade.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

INSTANTE MÁGICO


No momento em que estou escrevendo uma canção, eu sinto que estou conectado a algo que não sei como explicar, uma firmeza toma conta de mim e sei que o resultado será positivo, é realmente um instante mágico que parece não depender de mim porque ele simplesmente acontece, e, o mais interessante, é que depois de concluído o trabalho, eu me assusto com o resultado e me pergunto, será que sou realmente o autor?

anibal werneck de freitas.

terça-feira, 9 de junho de 2015

ISTO NÃO ESTÁ CERTO



Uma situação: minha mulher levou ao sapateiro uma correia do filho para ser furada três vezes e ficou estupefata porque não lhe foi cobrada nada pelo serviço.
Outra situação: o músico sai com o seu instrumento que lhe custou o olho da cara e toca de graça para o dono do bar ganhar dinheiro e  ninguém fica estupefato com isso.
Última situação: estou simplesmente estupefato com tudo isso.

anibal werneck de freitas.